E ao início do tempo de angústia fomos cheios do Espírito santo ao sairmos para proclamar o sábado mais amplamente. Isto enfureceu as igrejas e os adventistas nominais, pois não podiam refutar a verdade do sábado.

 

PRIMEIROS ESCRITOS Pág. 33 Ellen G. White

 

Por que os adventistas nominais ficarão enfurecidos com ampla proclamação do Sábado ?

 

Essa é uma afirmação quase inacreditável que Ellen G.White fez na sua segunda visão em 1847!

 

Desde que os adventistas se parece cada vez mais com as outras igrejas  (ecumenismo) são empurrados pelos líderes da Igreja Adventista para os cultos no domingo, que agora está começando acontecer no mundo todo, quando a lei dominical vier,  eles não terão a força (o Espírito de YAHWEH ) para defender o sábado.

 

Eles se aliaram com a Roma, o líder do movimento ecumênico e agir agora com o mesmo espírito (espírito do mundo, o espírito de Satanás Eph.2: 2).

 

Os verdadeiros filhos de Deus têm visto os caídos em sua igreja (Igreja Adventista do Sétimo Dia) e ter separado dela, e agora representam o resto, os que ainda proclamará completamente o sábado do YAHWEH.

 

Todos os textos bíblicos em favor do domingo citados irá provar falsificações, que não poderemos desmentir. No fim, haverá dois grupos.

 

Alguns adoram um ídolo no dia do sol e outros adoram ao verdadeiro Deus YAHWEH, no seu santo sábado.

 

pois o sábado foi separado para ser guardado em honra do santo nome de Deus.

PRIMEIROS ESCRITOS Pág. 33 Ellen G. White

 

Isto contrasta com a declaração da Igreja Católica:

Livro de ensino da religião católica, escrito pelo Dr. A. Glattfelter (1895): "A Igreja cristã mudou o dia de descanso dedicado a Deus para o primeiro dia da semana. Domingo é o dia de honra da Santíssima Trindade. "(P. 48)

 

 

Aqui estão todos a segunda visão de Ellen G. White

Visões Subseqüentes

 

Em 1847, enquanto os irmãos estavam reunidos no sábado em Topsham, Maine, o Senhor deu-me a seguinte visão:Sentíamos um incomum espírito de oração. E ao orarmos o Espírito Santo desceu sobre nós. Estávamos muito felizes. Logo perdi de vista as coisas terrestres e fui arrebatada em visão da glória de Deus. Vi um anjo que voava ligeiro para mim. Rápido levou-me da Terra para a Cidade Santa. Na cidade vi um templo no qual entrei. Passei por uma porta antes de chegar ao primeiro véu. Este véu foi erguido e eu entrei no lugar santo. Ali vi o altar de incenso, o castiçal com sete lâmpadas e a mesa com os pães da proposição. Depois de ter eu contemplado a glória do lugar santo, Jesus levantou o segundo véu e eu passei para o santo dos santos. No lugar santíssimo vi uma arca, cujo alto e lados eram do mais puro ouro. Em cada extremidade da arca havia um querubim com suas asas estendidas sobre ela. Tinham os rostos voltados um para o outro, e olhavam para baixo. Entre os anjos estava um incensário de ouro. Sobre a arca, onde estavam os anjos, havia o brilho de excelente glória, como se fora a glória do trono da habitação de Deus. Jesus estava junto à arca, e ao subirem a Ele as orações dos santos, a fumaça do incenso subia, e Ele oferecia suas orações ao Pai com o fumo do incenso. Na arca estava a urna de ouro contendo o maná, a vara de Arão que florescera e as tábuas de pedra que se fechavam como um livro. Jesus abriu-as, e eu vi os Dez Mandamentos nelas escritos com o dedo de Deus. Numa das tábuas havia quatro mandamentos e na outra seis. Os quatro da primeira tábua eram mais brilhantes que os seis da outra. Mas o quarto, o Pág. 33 mandamento do sábado, brilhava mais que os outros; pois o sábado foi separado para ser guardado em honra do santo nome de Deus. O santo sábado tinha aparência gloriosa - um halo de glória o circundava. Vi que o mandamento do sábado não fora pregado na cruz. Se tivesse sido, os outros nove mandamentos também o teriam, e estaríamos na liberdade de transgredi-los a todos, bem como o quarto mandamento. Vi que Deus não havia mudado o sábado, pois Ele jamais muda. Mas Roma tinha-o mudado do sétimo para o primeiro dia da semana; pois deveria mudar os tempos e as leis. E eu vi que se Deus tivesse mudado o sábado do sétimo dia para o primeiro, Ele teria mudado a redação do mandamento do sábado, escrito nas tábuas de pedra, que estão agora na arca no lugar santíssimo do templo no Céu; e seria lido assim: O primeiro dia é o sábado do Senhor teu Deus. Mas eu vi que nele se lê da mesma maneira como foi escrito nas tábuas de pedra pelo dedo de Deus, e entregue a Moisés no Sinai: "Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus." Êxo. 20:10. Vi que o santo sábado é, e será, o muro de separação entre o verdadeiro Israel de Deus e os incrédulos, e que o sábado é o grande fator que une os corações dos queridos de Deus, os expectantes santos. Vi que Deus tinha filhos que não reconheciam o sábado e não o guardavam. Eles não haviam rejeitado a luz sobre este ponto. E ao início do tempo de angústia fomos cheios do Espírito Santo ao sairmos para proclamar o sábado mais amplamente. Isso enfureceu as igrejas e os adventistas nominais, pois não podiam refutar a verdade do sábado. E nesse tempo os escolhidos de Deus viram todos claramente que tínhamos a verdade, e saíram e enfrentaram a perseguição conosco. Eu vi a espada, Pág. 34 a fome, pestilência e grande confusão na Terra. Os ímpios achavam que tínhamos acarretado juízos sobre eles, e se levantaram e tomaram conselho para desembaraçar a Terra de nós, supondo que assim o mal seria contido. No tempo da angústia fugimos todos das cidades e vilas, mas fomos perseguidos pelos ímpios, os quais entraram nas casas dos santos com espada. Eles ergueram a espada para matar-nos, mas esta quebrou-se, e caiu ao chão tão impotente como palha. Então clamamos dia e noite por livramento, e o clamor subiu até Deus. O Sol apareceu, a Lua permaneceu imóvel, as correntes de água cessaram de fluir. Nuvens negras e pesadas se acumularam e se chocavam umas contra as outras. Mas havia um espaço claro de glória indescritível, de onde veio a voz de Deus como de muitas águas, a qual fez estremecer os céus e a Terra. O céu se abria e se fechava e estava em comoção. As montanhas se agitavam como uma cana ao vento e rochas irregulares eram lançadas ao redor. O mar fervia como uma panela e arremessava pedras sobre a Terra. E ao anunciar Deus o dia e a hora da volta de Jesus e declarar o concerto eterno com Seu povo, Ele proferia uma sentença, e então fazia uma pausa, enquanto as palavras reboavam através da Terra. O Israel de Deus permanecia com os olhos fixos no alto, atento às palavras que vinham da boca de Jeová e rolavam através da Terra como trovoadas. Isto era errivelmente solene. E ao fim de cada sentença os santos clamavam: "Glória! Aleluia!" Seus rostos estavam iluminados com a glória de Deus; e brilhavam com a glória, como a face de Moisés quando desceu do Sinai. Os ímpios não podiam olhar para eles por causa da glória. E quando a interminável bênção foi pronunciada sobre os que haviam honrado a Deus e guardado o Seu santo sábado, houve um estrondoso clamor de vitória sobre a besta e a sua imagem. Pág. 35 Começou então o jubileu, quando a Terra devia descansar. Vi o piedoso escravo levantar-se em triunfo e vitória e sacudir as cadeias que o prendiam, enquanto o seu ímpio senhor estava em confusão e não sabia o que fazer; pois os ímpios não compreendiam as palavras proferidas pela voz de Deus. Logo pareceu a grande nuvem branca. Pareceu-me mais adorável que nunca antes. Nela estava assentado o Filho do homem. A princípio não vimos a Jesus na nuvem, mas ao aproximar-se esta da Terra pudemos contemplar Sua amorável pessoa. Esta nuvem, quando no princípio apareceu, era o sinal do Filho do homem no céu. A voz do Filho de Deus chamou os santos que dormiam, saindo estes revestidos de gloriosa imortalidade. Os santos vivos foram mudados num momento e com eles arrebatados no carro de nuvem. Parecia todo ele sobremodo glorioso ao avançar para o alto. Dos lados do carro havia asas e debaixo dele rodas. E ao avançar o carro, as rodas clamavam: "Santo", e as asas, ao se moverem, clamavam, "Santo" e o séquito de santos anjos ao redor da nuvem clamavam: "Santo, santo, santo é o Senhor Deus o Todo-poderoso!" E os santos na nuvem clamavam: "Glória, aleluia!" E o carro subia para a Cidade Santa. Jesus franqueou os portões da cidade dourada e conduziu-nos para dentro. Aqui recebemos as boas-vindas, pois havíamos guardado os mandamentos de Deus", e tínhamos direito à "árvore da vida".

 

PRIMEIROS ESCRITOS Pág. 32-35 Ellen G. White

Primeiros Escritos.pdf
Adobe Acrobat Dokument 747.6 KB

Silenciosamente

para o desastre

https://www.youtube.com/watch?v=1SsUijicXbg

Statements from the Roman Catholic Church

O Santo Nome do nosso

único Deus YAHWEH

As Três Mensagens

          Angélicas

Estudos Propéticos

Filme sobre

Chemtrails e HAARP

Filme sobre a Nova Ordem Mundial

Homepage Counter kostenlos

    8.10.2015